Transferindo a Culpa

                           O ser humano tem a capacidade de transferir a culpa dos seus erros para os outros. Estamos rodeados de homens e mulheres que nunca assumem responsabilidade e são incapazes de reconhecer suas falhas. Vivem transferindo a culpa dos seus atos e agem como se fossem infalíveis.
Quando era pequeno meu irmão tinha a capacidade de negar qualquer atitude errada que havia cometido, ainda que fosse pego fazendo o que não devia ele agia, falava e até chorava negando. Ao ser indagado sobre o assunto sempre dizia a mesma coisa: “não fui eu não foi o zotorós!”
Muitos vivem da mesma maneira, jogando a responsabilidade dos seus erros para cima dos “zotorós” (dos outros). O mundo está cheio de pessoas assim, que acha mais fácil se esconder para não sofrer as consequências.
O mais interessante é que muitas vezes esse tipo de pessoa fala de forma tão convincente que acabamos pensando que o erro está realmente em nós, que elas não fizeram nada e que estamos agindo como carrascos. Quantas vezes você já se sentiu culpado por achar que foi injusto com alguém que realmente estava errado?
O ato de jogar a culpa para cima do outro faz parte da história da humanidade, desde o princípio o homem age dessa forma para tentar fugir da sua responsabilidade. Quando Adão comeu do fruto proibido no Jardim do Éden jogou toda culpa do seu erro para cima da sua esposa Eva. Ela, por sua vez, desviou-se rapidamente da culpa colocando-a na serpente.
Talvez você já tenha percebido que o marido nunca está errado quando briga com a esposa, e ela sempre acha uma maneira de desviar-se jogando a culpa para cima dele. Que os filhos sempre colocam a culpa de seus fracassos para cima dos pais. Que o professor não sabe ensinar a matéria ou que os alunos nunca aprendem aquilo que ele ensina.
As pessoas são capazes de jogar papel no chão e criticar a administração pública por não mandar varrer as calçadas. Atravessam a rua fora da faixa e culpado é o motorista que não prestou atenção. Estacionam em um local proibido e o guarda de trânsito que está errado por ter multado seu o carro.
O homem comete os mais diversos erros e é incapaz de reconhecê-los, é muito mais conveniente jogar a culpa para cima dos “zotorós” do que pedir perdão. Aliás, somos ensinados de que pedir perdão é coisa de pessoas fracassadas.
O ato de pedir perdão, de reconhecer que está errado e de voltar atrás demonstra o caráter de uma pessoa bem definida, de quem tem convicção do que é e sabe tirar proveito de todas as situações para alcançar o seu crescimento, o respeito das pessoas e consequentemente o êxito.
Saber reconhecer seus erros é o ato mais nobre na vida de pessoas inteligentes e que vivem focadas no seu futuro, pois elas sabem que só alcançarão conquistas sólidas se tiverem a capacidade de acertar onde estão errando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação