O NATAL DA INDIFERENÇA


Boa parte do mundo hoje está vivendo uma grande correria por conta das compras de Natal. As lojas estão repletas de pessoas escolhendo os presentes para os seus familiares; os supermercados estão abarrotados de gente preocupa em encher seus carrinhos; e as ruas estão difíceis de transitar.
Toda essa festa tem como finalidade comemorar, de forma distorcida, o nascimento de Jesus. Mas, será que Ele está feliz com toda essa comemoração? Afinal de contas, onde Ele se encaixa nessa euforia toda? É importante pensarmos sobre isso nesse momento, afinal de contas, parece que as pessoas se esqueceram da pessoa central da festa.
Estão todos falando em ganhar e receber presentes, na ceia de natal repleta de iguarias, preocupados em como agradar ao parente, amigo ou conhecido, mas ninguém está preocupado com a vontade do Senhor.
O mais triste é que a pessoa mais importante da festa passou a ser um velho, barbudo, robusto, com um grande saco de presentes vermelho e um trenó puxado por algumas renas.
Outra coisa que chama a nossa atenção nesse dia é a festa. As mesas, como já dissemos, ficam superlotadas de alimentos, a maior parte será jogado fora, no dia seguinte, ou ficará guardado na geladeira, escondido lá no canto, até estragar.
Isso sem contar o consumismo. As pessoas fazem dívidas absurdas, que consumirão uma boa parcela da sua renda durante meses do ano seguinte. Tudo isso justificado pelo “nascimento do Messias”.
Mas, será que Ele realmente está preocupado com todas essas coisas, ou elas foram criadas apenas para satisfazer o nosso desejo egoísta do homem? Estamos agradando o seu coração?
Desculpe a sinceridade, mas essa data parece mais um momento de manifestarmos a nossa hipocrisia, disfarçada através de uma festa, que tem como tema principal alguém que nunca se preocupou com essas coisas.
Basta olhar a indiferença das pessoas, com suas sacolas cheias de presentes e comidas, quando elas passam perto de um necessitado e nem notam a sua presença. Aliás, você deu bom dia ao menos favorecido hoje quando passou por ele?
Quantos desses presentes foram comprados para abençoar a vida de uma criança jogada na calçada, ao lado da sua casa? Quando fez suas compras pensando em um orfanato; ou asilo; ou qualquer outra instituição de caridade?
Nosso objetivo aqui não é julgar ninguém, até porque, estamos fazendo essa reflexão antes do prezado leitor. É muito fácil lembrar-se daqueles a quem consideramos, difícil é se preocupar com aqueles que não vemos.
Nossa indiferença tem sido marcante, pois temos a oportunidade de escolher entre estender a mão, mas escolhemos recolhê-la. Poderíamos ajudar ao próximo, mas estamos preocupados demais em comprar aquilo que satisfaz o nosso ego.
Permita-me terminar essa reflexão com um trecho dos evangelhos que transcreve um dos ensinamentos do Mestre aos seus discípulos, para que possamos pensar juntos sobre nossa indiferença.
"Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que lhes foi preparado desde a criação do mundo.
Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram;
necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram’.
"Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber?
Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’
"O Rei responderá: ‘Digo-lhes a verdade: o que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’. (Mateus 25:34-40).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação