Quase, o Limitador de Conquistas


O “quase” faz parte da vida de grande parte da população. Todos os dias encontramos pessoas que em meio a crises e fracassos utilizam da desculpa do “quase” para se justificar. Você mesmo, quantas vezes já ouviu alguém dizer a palavra “quase”? Quantas vezes já falou a palavra “quase”?
Pode parecer estranho, mas é bem provável que ao menos uma vez na vida você já tenha dito que quase conseguiu... Quase fez... Quase acertou... Quase encontrou... São tantos “quases” que até perdemos as contas. A verdade é que o “quase” não resolve problema, não muda a história, não traz o perdão, não faz vencer.
Dizer que quase conseguiu soa apenas como mais uma desculpa que utilizamos para justificar nossos fracassos.  Não existe um quase gol no futebol, ninguém nunca decidiu uma partida de Basquete com uma quase cesta de três pontos, nenhum time de vôlei é capaz de ganhar um tie break com um quase ponto.
O “quase” não decide nada, não muda história de ninguém, não faz um vencedor. Na verdade a história é escrita por aqueles que decidiram lutar até o fim, por aqueles que nunca desistiram, mas continuaram tentando até conseguir.
“Quase” é a desculpa do fracassado, do desestimulado, daqueles que tentaram uma vez e nunca mais tentaram de novo. A história dos campeões é marcada por várias derrotas, mas também por inúmeras superações.
Quase é o termo da dúvida, da incerteza e da insegurança. É a marca daqueles que desistiram, dos que entregaram os pontos, e não sabem o que fazer. Ele é o limitador de conquistas.
Os vitoriosos são aqueles que não se limitaram ao quase, mas buscaram aperfeiçoamento dia após dia até conseguirem se tornar os melhores. São aqueles que não se deixaram desestimular com as derrotas, mas fizeram delas motivação para novas conquistas.
Os maiores nomes da história não estariam gravados nela se tivessem parado no primeiro quase. Eles só conseguiram alcançar seus objetivos percorrendo um longo caminho de superação e porque fizeram do “quase” a mole propulsora para seus maiores saltos.
O problema não está apenas em quase ter feito, ou quase ter alcançado, ou quase ter conseguido, mas em ficar parado após eles, em não tomar uma atitude, em não lutar para vencer. Você pode tentar e não conseguir, mas isso não significa que vai ficar parado no quase esperando que as coisas caiam do céu.
Não permita que o “quase” seja o limitador das suas conquistas, não fique parado olhando para as oportunidades simplesmente porque quase conseguiu. Lembre-se a história é marcada por aqueles que decidiram ir além, dos que não ficaram parados no quase.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação