A Brevidade da Vida


Os acontecimentos do último final de semana me fizerem refletir sobre alguns assuntos referentes ao estado da vida humana aqui na terra. Estive pensando sobre a brevidade da vida, o sofrimento humano e como aprendemos a valorizar aqueles que estão a nossa volta nesses momentos. Vou tentar expressá-los aqui durante esses dias.
Nesse primeiro momento gostaria de discorrer um pouco sobre a morte, afinal de contas, somos confrontados por ela a todo instante. Para ela, não importa quantos anos tenha, quais são seus recursos financeiros, se tem projetos ou se ainda não realizou os seus sonhos. A verdade, é que um dia ela chega, de forma implacável e sem avisar destruindo o grande castelo de areia, que é a vida.
Alguns pensam sobre o tema com pavor incontrolável, outros com pesar e existem aqueles que ainda têm o prazer em falar desse assunto, pois o aguardam como solução para todos os seus problemas.
O apóstolo Tiago declarou em sua epístola o seguinte: “Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece” (Tiago 4: 14).
Alguns podem até pensar que ele era um pessimista, fissurado pela morte, mas ao observar o texto o leitor poderá compreender que seu propósito era instruir os discípulos de Jesus sobre a brevidade do tempo aqui na terra.
Por isso, a necessidade de se fazer as escolhas corretas, afinal ninguém sabe quanto tempo ainda resta. A morte é algo tão imprevisível que pode acontecer a qualquer momento, em qualquer lugar e a qualquer pessoa. Como diz o ditado popular: “Para morrer basta estar vivo.”
Também não queremos ser pessimistas, nem assustar ninguém, nosso objetivo é refletir sobre esse assunto, procurando encontrar aquilo que pode no trazer esperança. Como disse no início, fui levado a pensar sobre o assunto, mais isso não significa que devemos viver desejando a morte.
Agora, é certo que precisamos aprender a fazer as escolhas certas, pois teremos uma eternidade pela frente. A Bíblia nos garante que a morte não é o fim, mas apenas o início de uma jornada eterna.
O que fazemos aqui nessa vida refletirá por toda a eternidade. As escolhas, portanto, devem ser feitas calculando, cuidadosamente cada uma das consequências, pois depois da morte não haverá mais tempo de voltar atrás.
Dessa forma, é preciso estar sempre pronto para o dia em que seremos chamados a comparecer diante do trono de Deus, sabendo que seremos recompensados pelas escolhas, certas ou erradas, feitas durante nossa breve vida aqui nesse planeta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação