Aprendendo com o Sofrimento


Você já percebeu que determinados acontecimentos tem a capacidade de unir as pessoas, principalmente quando esses eventos causam algum tipo de trauma nos envolvidos. É como se a dor tivesse o poder de atrair os pares, fazendo-os trabalhar juntos.
É só observar como as pessoas se portam diante de um caso de doença na família. Existem casos onde alguns membros não se falam há muito tempo, mas a dor e o sofrimento, seja por causa de uma doença ou uma morte, é capaz de uni-los novamente, quebrando as barreiras e abrindo as portas para o perdão.
Infelizmente isso não acontece em todos os casos, existem aqueles com coração tão duro, que nem esses momentos para amolecer o seu paredão. Isso não significa que a atitude da maioria é a mesma.
Isso acontece em todas as culturas. Ele pode atingir apenas a um pequeno grupo, como a família e amigos, ou comover uma nação inteira. Vide o caso do onze de Setembro nos EUA, das tragédias que atingiram a região serrana no Rio de Janeiro e o Tsunami que destruiu parte da costa do Japão.
Nesses momentos, aprendemos que a solidariedade, o amor, a compaixão, dentre outros sentimentos, passam a ser mais importantes do que nossos conceitos, dando a oportunidade de reconciliação, além de levar a unidade em torno de um objetivo comum.
É justamente sobre esses sentimentos que queremos abordar aqui, afinal de contas, eles são à base da estrutura do bom funcionamento de qualquer sociedade, ou relacionamento. Todas as vezes que o homem despreza tais emoções entra em um declínio moral e espiritual terrível.
O alicerce de todo relacionamento, independente do nível, está no respeito, na solidariedade, no amor e compaixão pelos seus semelhantes. Viver sem esses sentimentos significa ser controlado pelo ódio, pela insensatez, pela maldade e pela destruição.
Por isso, quando uma família se une em torno de um grande problema o amor começa a fazer a diferença, pois ele tem o poder de destruir as barreiras criadas pelo ódio, trazendo paz e perdão aos corações.
Outro ponto importante a destacar nesses momentos é o da unidade. Muitas vezes as pessoas passam anos sem se ver, sem importar-se com o bem estar do outro, sem buscar estar perto, de procurar saber alguém precisa de alguma coisa. Mas diante da dor são unidos novamente em um só propósito.
A dor é capaz de reunir aqueles que estavam distantes, de levar a reconciliação os que estavam em guerra, de restaurar o amor onde operava o ódio e de trazer unidade aqueles que estavam vivendo separados.
Isso não significa que o sofrimento irá passar instantaneamente, mas, com certeza, dará aos envolvidos um ânimo redobrado para prosseguir a caminhada, buscando maneiras de vencer, juntos, a dor que estão sentindo.
O sofrimento ensina o ser humano a valorizar os seus relacionamentos, mostrando que nada na vida pode ter maior prioridade do que aqueles a quem se ama.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação