Desculpas Esfarrapadas


Volta e meia encontramos pessoas dizendo que não conseguem vencer os seus erros. Segundo elas, por mais que tentem, parece ser impossível permanecer fiel em meio às tentações que se apresentam.
Vivem baseadas em desculpas, algumas até com fundamento, mas que não levam a lugar nenhum. Como diz o ditado, são penas “desculpas esfarrapadas”, ou seja, algo sem valor e que todos sabem não ser a causa principal do erro.
Deixar de fazer aquilo que é errado não passa de uma decisão pessoal. Ela não depende daqueles que estão ao redor. São escolhas que cada indivíduo deve fazer, todos os dias de sua vida.
Todos conhecem a história de Caim e Abel, onde o primeiro mata o segundo por causa de inveja. O que a maioria deixa passar despercebido é que, mesmo antes de errar, O Senhor repreendera a Caim sobre o erro que proporá em seu coração de cometer.
O Eterno diz o seguinte para Ele: “o pecado está a sua porta, cumpre a você vencê-lo.” Repare que o Senhor não diz que o livraria do pecado, ou que o jogaria direto nele. Pelo contrário, a palavra é enfática em dizer que a responsabilidade de vencer o pecado era dele e de mais ninguém.
Alguns, mais cara de pau, dizem não ter conseguido vencer a tentação que lhe sobreveio. Mas, a Palavra declara que: “não veio sobre nós tentação que não fosse humana; mas, fiel é Deus, que junto com a tentação, envia o escape.”
Por mais difícil de vencer que seja o pecado, lembre-se de que é responsabilidade sua vencê-lo. A parte que cabia a Jesus já foi realizada, agora é uma questão individual que envolve renuncia.
Melhor do que viver dando um monte de desculpas esfarrapadas, cada uma das vezes que comete algum tipo de erro, é reconhecendo que errou e confessando o seu pecado.
Somente após confessar o seu pecado, a pessoa encontrará cura para sua alma e poderá seguir em paz, sem o peso e a condenação da transgressão que cometera.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação