A Bondade e a Justiça de Deus


O que mais encontramos nos dias de hoje são pessoas tentando justificar seu erro escondendo-se atrás da bondade de Deus. Para elas, O Eterno é tão bom que não terá coragem de castigar alguém por causa do seu pecado. Por isso continuam praticando o erro naturalmente.
As pessoas se esquecem de que o mesmo Deus de Bondade também é o da Justiça, aliás, esses são alguns dos atributos imutáveis do Senhor. Um atributo não anula o outro, da mesma forma que a bondade de Deus não anula sua Justiça, pelo contrário, a intensifica. O Senhor tem o prazer de usar sua bondade, de manifestá-la aos homens, mas também é implacável quando se torna necessário usar da sua justiça.
O grande problema do ser humano é querer sempre quebrar os princípios estabelecidos pelo Eterno, e ainda assim permanecer isento de culpa. Diferente dos homens, Ele não se deixa levar pelas chantagens emocionais daqueles que querem apenas se eximir da culpa sem passar pelo caminho correto do arrependimento.
A palavra de Deus é clara quanto a isso, ela diz o seguinte: “Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. O que o homem plantar ele também vai colher.” (Gálatas 6:7). Essa é a lei da semeadura.
Podemos ver a bondade e a justiça do Senhor no simples ato de semear. Segundo a sua bondade todo homem tem o direito de plantar tudo o que quiser. Mas, segundo sua justiça, ele colherá somente aquilo que plantou. Ninguém nunca colherá algo que não plantara.
Portanto, se o indivíduo plantou amor, paz, amizade, carinho e respeito colherá os frutos desse plantio. Em contra partida, se a sua semeadura foi o ódio, rancor, mágoa ou qualquer outro tipo de atitude pecaminosa, ele colherá referente a tal plantio.
Quando Paulo utiliza o exemplo da semeadura ele está dizendo que o Eterno sempre manifestará sua justiça de acordo com as atitudes benignas ou malignas do homem. Ele não dará a uma pessoa aquilo que ela não tenha plantado anteriormente.
O homem pode até tentar esconder-se atrás da bondade de Deus, tirar o foco dos seus erros, mas se não houver um arrependimento verdadeiro a justiça de Deus se manifestará sobre a vida dessa pessoa trazendo as consequências relatadas em sua palavra.
É preciso entender que a bondade do Eterno não anula a sua justiça, pelo contrário, a intensifica. Lembre-se, de Deus não se zomba, o que o homem plantar ele irá colher.

Comentários

  1. Olá amigo Juanito.
    Deus é sempre justo e bom. Ele perdoa a todos que sinceramente se arrependem e reconhecem seus erros. Como bom pai que é, conduz o filho a reparar suas faltas através da reencarnação. Nesta caminhada somos amparados pelos irmãos do mundo espiritual. Prova do amor incondicional de Deus por todos nós. Mas se Deus der a todos mais oportunidades, mais vidas, em que todos possam, por caminhos mais sofridos ou menos, mais curtos ou longos, se igualarem no mesmo exato nível de merecimento, todos, mais cedo ou mais tarde, chegarão até Ele, sem que nenhum se perca em definitivo. Agora posso ver Justiça e Bondade associadas.
    Abraços fraternos sempre. Kaoma

    ResponderExcluir
  2. Bom dia,
    concordo que Deus seja justo e bom, e que Ele demonstra isso através do seu perdão. Creio porém naquilo que está revelado na Bíblia, segundo ela ao homem está ordenado morrer uma só vez, vem depois disso o juízo (Hebreus 9:27). A justiça de Deus se manifesta no direito dado a cada indivíduo de poder escolher que caminho seguir e como segui-lo, não sendo necessário portanto reencarnar. Até porque isso seria contrário aquilo que o próprio Deus deixou revelado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação