O PERIGO DAS RELAÇÕES “INTER-MÍDIAS”

Com certeza, o ser humano não foi criado para viver isolado, sem manter um relacionamento saudável com outras pessoas. Toda sua estrutura emocional indica uma necessidade de ter alguém ao seu lado, compartilhando situações positivas ou negativas. A verdade é que nos apoiamos uns nos outros, cada um do seu jeito, para superar os reveses da vida.

Contudo, estamos vivendo um momento impar na história dos relacionamentos, com advento dos novos meios de comunicação, as pessoas estão deixando de lado as relações interpessoais para viverem relações “inter-mídias” (Perdoe-me pelo neologismo).

As relações “inter-mídias” são baseadas, direcionadas e alimentadas pelas diversas formas de comunicação utilizadas pelo ser humano, chamadas de mídias sociais, como: Wattsapp, Facebook, Instagram, etc., todas ligadas diretamente aos novos aparatos tecnológicos inventados pelo homem.

A princípio, esses meios de comunicação não estão errados, pelo contrário, encurtaram as distâncias, uniram amigos e familiares, trouxeram inúmeros reencontros, juntaram casais, ajudaram a encontrar pessoas queridas... E fazem parte da nossa história recente.

Entretanto, o que questionamos aqui, são os exageros em nome da revolução nos meios de comunicação. Infelizmente, as pessoas estão trocando os relacionamentos interpessoais, por mensagens digitais frias e superficiais.

Esses dias, observando uma mesa de amigos em um restaurante, percebi que estavam todos ali (havia, aproximadamente, seis pessoas a mesa), mas desconectados emocionalmente e conectados via mensagens de celular. Havia sorrisos no rosto, mais não existia vida na comunicação.

É bem verdade que a atual geração possui uma dinâmica bem diferente das anteriores, todavia, essa falta de habilidade nos relacionamentos interpessoais e fuga para as relações “inter-mídias” aponta para a necessidade de restauração emocional.

Diante de tudo que temos visto nos últimos dias, é primordial um despertar da humanidade quanto à qualidade de vida dos relacionamentos, caso contrário, em pouco tempo nos transformaremos em “máquinas” de carne e osso, frias e solitárias.


“Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante.” (Eclesiastes 4: 9, 10).

Pense sobre Isto!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação