O EXEMPLO DE SAUL

Segundo relatos Bíblicos, Saul estava reunido com seu exército, às vésperas de uma guerra contra os filisteus, enquanto aguardavam ao profeta Samuel, pois este oferecia sacrifícios ao Senhor e os abençoaria a fim de partirem para guerra contra o inimigo.

Passados sete dias, como Samuel demorara a chegar, o próprio rei Saul decidiu sacrificar os animais e partir para a guerra sem a bênção e autorização do profeta. 

Logo após o rei oferecer o sacrifício, o profeta chega, percebendo o ocorrido, reprova a Saul. Vejamos as palavras de Samuel a Saul após o seu pecado:


"Então disse Samuel: Que fizeste? Disse Saul: Porquanto via que o povo se espalhava de mim, e tu não vinhas nos dias aprazados, e os filisteus já se tinham ajuntado em Micmás,Eu disse: Agora descerão os filisteus sobre mim a Gilgal, e ainda à face do Senhor não orei; e constrangi-me, e ofereci holocausto. Então disse Samuel a Saul: Procedeste nesciamente, e não guardaste o mandamento que o Senhor teu Deus te ordenou; porque agora o Senhor teria confirmado o teu reino sobre Israel para sempre; Porém agora não subsistirá o teu reino; já tem buscado o Senhor para si um homem segundo o seu coração, e já lhe tem ordenado o Senhor, que seja capitão sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o Senhor te ordenou" (1 Samuel 13:11-14).



Palavras pesadas ditas a um governante que tinha tudo para ser um dos maiores homens da história de Israel. Isso porque, Saul começou muito bem o seu reinado. 

Segundo os relatos dos capítulos anteriores, aquele homem começou seu ministério respeitando a rota traçada pelo Senhor. Todas as palavras ditas pelo Eterno, através da boca do profeta Samuel, ele obedecera. 

Mas um dia com medo da reação do povo em relação à demora de Samuel, ele tomou uma rota diferente daquela desenhada pelo Senhor. 

Todo pecado de insubordinação constitui a quebra de um princípio, e aponta para a rebelião. Quando o rei decidiu fazer o que não era da sua alçada, saiu do trajeto estabelecido por Deus e atraiu maldição sobre seu ministério. 

Você pode passar a vida inteira caminhando dentro da rota, mas se em algum minuto se desviar, e não se arrepender, acabará atraindo maldição para sua vida. 

É interessante como Saul, na tentativa de ser aceito pelo povo, cumpriu uma tarefa que não era sua. Muitas pessoas em nosso meio vêm perdendo a unção ministerial por tomar as mesmas atitudes. Elas fazem aquilo que não foram chamadas para fazer. 

Aos olhos do Senhor, essa atitude é uma declaração de independência, um grito por "liberdade". É uma forma de desprezar a vontade de Deus e estabelecer uma nova rota.

Pense sobre isso!

(Trecho retirado do meu livro: "O Dom Ministerial: entre a unção do chamado e a legitimação")

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APONTAR O DEDO É FÁCIL, DIFÍCIL É ESTENDER A MÃO

Troca de Valores

A Quebra de Princípios Gera Condenação